quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Maneira fácil de quitar dívidas...

Primeiro passo: 

Pare de gastar nesse exato momento! Aquele cafezinho no horário do almoço com amigos em restaurante, o happy hour, o cinema e a locadora (tente o netflix em casa que tem um período gratuito e depois é o preço de uma entrada no cinema), aquela roupa que você amou na vitrine e tantas outras coisas, devem ser deixados para outra oportunidade. 

Corte todos os gastos desnecessários e supérfluos, mesmo aqueles feitos por prazer.

Segundo passo:

Identifique suas despesas fixas - água, luz, aluguel, prestações da casa própria, combustível, etc - coloque em uma planilha em primeiro lugar aquelas que não podem ser cortadas. Pense em uma forma de diminuir essas despesas essenciais, por exemplo, se você vai trabalhar de carro todos os dias, verifique se o transporte público fica mais barato que a gasolina e estacionamento, considerando ainda a manutenção necessária do veículo que você usa.

Veja o que sobra do seus valores recebidos mensalmente.

Terceiro passo:

Anote todas as dívidas, começando por aquelas com juros mais altos, lembrando que o cartão de crédito, quando parcelado, cobra juros exorbitantes. 

Feita a planilha das dívidas, verifique se o banco possui alguma linha de empréstimo com juros mais baixos. Se você for servidor público normalmente existem convênios vantajosos com bancos no que se refere à esses juros (observando que mesmo juros baixos representam dinheiro jogado fora, mas é melhor do que continuar pagando juros altíssimos) e mesmo quem trabalha na iniciativa privada pode procurar esses benefícios, sendo que algumas empresas possuem esses convênios com o banco ou mesmo o particular que tem um bom relacionamento bancário consegue negociar taxas mais baixas.

Tomadas essas providências, você terá um valor mensal de "empréstimo" para pagar e terá todas as dívidas esparsas reunidas em única prestação que logicamente deve caber no seu orçamento, ou seja, na sobra do "segundo passo".

Pode ser que você não consiga reunir todas as dívidas em uma única parcela de empréstimo, mas não desanime, reúna aquelas que podem ser pagas conforme o orçamento, priorizando, como já dito, aquelas com juros mais altos e trocando por empréstimos a juros mais baixos.

Quarto passo:

Mantenha o foco no "primeiro passo", ou seja, não gaste em nada desnecessário e supérfluo até que tudo esteja quitado, faça isso para sua felicidade e sua paz interior, pois ninguém merece o estresse de cobranças e mesmo de saber que está devendo mais do que pode pagar.

Finalmente:

A essas alturas você deve estar pensando:

- Nossa, Ziula, você descobriu a América, se fosse fácil assim, ninguém teria dívidas!

Ora, ora, a dívida foi gerada por compras descontroladas ou mesmo por uma necessidade inadiável, então o jeito é bloquear o consumo, não existe outra forma.

Ao invés de jantar fora, faça algum prato especial para você e sua família! Não compre livros, frequente bibliotecas! Não compre roupas e acessórios, divirta-se com o que você já tem no guarda roupa encontrando novas combinações! Não viaje, aproveite sua cidade, passeie em parques e outros locais públicos, encontre exposições em museus com entrada gratuita, visite aquele amigo que há muito não encontra, cozinhe um bolo, faça brigadeiro (ou negrinho como se diz no Rio Grande Amado), leia um livro, recicle, conserte o que você já possui, enfim, encontre atividades gratuitas.

É para sempre? Claro que não, são procedimentos temporários até que você restabeleça sua saúde financeira e depois pode começar a ter momentos de prazer, desde que possa pagar tudo à vista e não retorne ao endividamento.

É rápido? Claro que não, você demorou quanto tempo para chegar nesse estado de dívidas? Então, conte o dobro ou triplo do tempo, para ser bem pessimista, para conseguir quitar tudo, embora eu entenda que com empenho demore bem menos tempo do que imaginamos. Dia desses encontrei um blog, não lembro o nome nem o link, onde a pessoa demorou três anos para quitar todas as dívidas. É muito tempo? Pode até ser, entretanto aprendeu muito e certamente não cairá nesse conto do consumo novamente.

Vá em frente! Siga firme! Diga não à cultura da vergonha, onde alguns sentem-se envergonhados por não ter o brinco de flor de maracujá com um beija-flor pendurado que todos estão usados. Você não é o que você possui! Desenvolva-se emocional e espiritualmente, medite, tome banho frio, faça qualquer coisa para encontrar sua saúde financeira e todos os outros aspectos florescerão de forma inimaginável.

Se você morresse amanhã, o que caberia no seu caixão? Importariam todas essas coisas que você acumula? Exagerei? Pode ser! E se houvesse uma inundação, um incêndio, um tsunami,  o que você salvaria? Eu pegaria meus filhos, se desse tempo meus cachorros! Quanto às coisas materiais, certamente levaria somente o que pudesse carregar e fosse essencial, o que demonstra o quanto acumulamos sem necessidade.

Pense. Repense. Tome uma atitude. Seja feliz.

6 comentários:

  1. Em véspera de feriado não viajar é brabo!! Kkk Mas claro que isso só deve ser feito se não comprometer os rendimentos. Se fosse em outras épocas nesse feriado iria para Punta Del Leste de carro, como quero distância de dívidas acho que vou ir para as praias do RS mesmo...kkk

    Acho que essa de somar tudo e ver quanto que gasta por mês é uma boa para ver o que dá para cortar, o que precisa reduzir e o que não dá para mexer. E se não fizermos esse relatório para ver onde está indo o dinheiro, achamos que sempre cabe mais alguma coisa.

    No meu caso, cortar carro é impossível. Sei todas despesas que tenho de combustível, estacionamento, seguro, IPVA, eventuais pedágios e manutenção, mas pra mim isso é qualidade de vida e não abro mão, mas das que podia cortar, embora não estivesse devendo mas também pouco sobrava, saiu a Tv a cabo, que nem olhava mesmo, só um programa que outro. No lugar entrou o Netflix, assim vejo todos os filmes e seriados que tenho vontade, não tenho perda de qualidade de vida e nem de dinheiro indo para o ralo como era, faxineira também cortei, como o apto é pequeno , fazendo um pouco por dia dá pra sobreviver, claro que para as coisas mais pesadas eu vou chamar, daí pode ser em período com maior lapso temporal. Com coisas que não podia retirar vi se não tinha oferta melhor no concorrente. Tinha. Mas antes de trocar vi o que a que eu assinava poderia fazer. Em resumo o preço caiu em 70%. Sem perder qualidade alguma, só uns bons minutos no telefone.

    Temos que buscar as coisas sem vergonha ou pensar no que os outros vão falar. Devemos saber onde queremos chegar e como fazer isso. Quando eu troquei o trabalho com um colega, onde só falávamos bobagens e de consumo, na entrevista no escritório disse para meus dois chefes que meu objetivo era ser procuradora do MPT. Ao invés de correrem comigo, tenho horário flexível para estudo. Então acho que se a pessoa busca o que quer, até os superiores colaboram, mas tem que querer e não ficar pensando na vergonha, que isso e que aquilo. A realidade ainda é a melhor maneira de encarar as coisas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adriana, essa história do MPT lembra um procurador que conheço, quando reclamo de alguma coisa ele sempre diz: "quem mandou não estudar!"... a verdade é que na ocasião em que fiz concurso eu nem sabia da existência do MPT... rs.... você fez uma ótima escolha.

      Quanto às viagens, fiquei muitos feriados em casa por falta de dinheiro e por não querer piorar minha situação... Esse feriado estou indo porque já paguei tudo adiantado e está tudo extremamente sob controle.

      Bom feriado nas praias gaúchas... beijos

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigada e um ótimo feriados para todas nós!!! :-)

      Excluir
  3. Ziula, eu gosto de método "bola de neve" para pagar dívidas, é o que melhor funcionou pra mim. Você conhece, né? Ele não é necessariamente o mais vantajoso do ponto de vista financeiro, mas achjo mais estimulante. Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marina, penso que até que pode funcionar esse método. Vejo problemas é pagar as dívidas menores, que serão eliminadas e depois passar para as dívidas mais altas, pois se o caso for de uma dívida menor em loja com juros mais baixos e que podem ser negociados e uma dívida maior com o cartão de crédito com juros astronômicos, seria mais prudente negociar o cartão.

      Ainda penso que o melhor é o pagamento das dívidas com juros mais altos e, se for possível, somar todas e transformar em uma única prestação com empréstimos a juros menores.

      Entretanto, é certo que cada qual tem um método ao qual se sente mais confortável, o importante mesmo é eliminar dívidas, exceto as dívidas boas, ou seja, aquelas que levarão à aquisição de bens que possam valorizar com o tempo, por exemplo, apartamento na planta!!!

      Beijos

      Excluir