sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Como está sua vida financeira nesse exato momento?

E nesse horário estou partindo em férias para o Rio de Janeiro...

Aqui uma reflexão: como está sua vida financeira agora? Nesse exato momento você tem idéia se possível realizar algum sonho? Tem alguma poupança? E as dívidas e prestações?

Certa feita pedi para uma pessoa que, após tomar seu café recém coado, sentasse em uma mesa e anotasse todas as suas despesas  mensais fixas, variáveis, prestações, enfim tudo que gastava em um mês, sendo que isso deveria ser feito sem consultas, somente utilizando a memória, entretanto algumas consultas foram necessárias para verificar valores exatos.

O pedido decorreu da verbalização de um empréstimo que fez ano passado e que poderia acarretar alguns prejuízos irreparáveis.
Terminada a tarefa de anotar, solicitei que fosse tudo somado. Depois, foram feitas anotações dos "créditos mensais" com seus exatos valores. Tomados os valores dos créditos e deduzidos os débitos anotados ainda sobrava um valor equivalente a quarenta por cento dos rendimentos mensais.

" Ótimo! Então, você pode resolver aquela dívida que está lhe preocupando em pouco tempo, aquela cujo valor dos juros foi somado,  mas não o valor dela integral."

- Mas... escuta.. vi você guardando uns papeizinhos na carteira e dizendo que não podia jogar fora. Qual a razão?
- Prestações da loja de departamento "x", mas é coisinha pequena, nem vale a pena anotar.
- Vamos lá! Coragem! Precisamos do quadro real!
- Está bem, somando importa no valor "n"- e esse valor era equivalente a 6% do recebimento mensal - Nossa! Nunca imaginei! São prestações pequenas, tem uma até de R$ 18,00.
- É! Pequenas, mas que somadas chegam a esse absurdo em relação à sua renda. Anote na planilha!

- Verifiquei na planilha que tem dois lançamentos, com valores diferentes, referentes à mesma rubrica!
- Assim, ano passado não consegui pagar, então parcelei no cartão de crédito esse ano! E agora tenho o ano passado e esse para pagar, sendo que o mês passado já não paguei o desse ano, somente consegui pagar o cartão.
- Entendi! Pelo menos está lançado!

- Nossa! - diz a pessoa - que absurdo minha conta de luz! - valor de 5% dos recebimentos totais.
- Vamos "ler" essa conta de luz. Pegue esse papel e leia.
- Ah! Tá! Tem o valor do mês passado e desse mês, é que mês passado não paguei, mas nunca deixo cortar a luz.
Vamos para o segundo passo. Abra seu internet banking. 

- Qual seu saldo? 
- Meu saldo é "x", mas vai entrar "y", bla, bla, bla!
- Calma! Qual seu saldo efetivo hoje? Quanto você tem na conta ou está negativa?
- Ok - desanimada - está negativa em "z"!

O saldo negativo era equivalente a um valor total dos créditos de um mês mais 10%, ou seja, mesmo entrando todos os créditos ainda assim ficaria 10% negativada no banco, ainda, estava pagando juros de cheque especial sobre todo esse valor e durante o mês inteiro e todo mundo sabe que juros de cheque especial são capazes de levar à insolvência em curto prazo.

- Como será que aconteceu isso?
- Sei lá...
- É que funcionava assim: eu tinha saldo positivo durante quinze dias do mês, depois durante dez dias e depois durante cinco dias... 
- Pois é, aconteceu exatamente assim, você foi simplesmente ignorando os fatos e comprou isso e aquilo sem que tivesse dinheiro, somado aos juros do cheque especial a coisa foi crescendo e agora você está indo para o ponto de não ter dinheiro nem mesmo quando entram todos os créditos, fica tudo para o banco.

Vamos continuar nessa análise do extrato bancário. 

- Quanto você paga de juros?
- Onde que se vê isso?
- Na rubrica "juros" do extrato!

Procura daqui, procura dali e bingo! 10% do saldo devedor é claro!

E a coisa toda não parou por aí. Havia lançamentos de um crédito que o banco fornecesse automaticamente e a pessoa escolhe o número de prestações no terminal, depois os valores vem debitados em conta corrente.

- O que é esse crédito? Porque você o utilizou?
- Sabe como é... a gente não tem dinheiro e daí termina por usar.
- Pois é, mas se a gente não tem dinheiro, simplesmente não gasta, exceto se for alguma emergência fatal... se não dá para comer carne, come ovo... se não dá para comprar o pão, faça o pão em casa que é mais barato... se não tem dinheiro, não tem que comprar mais nada que não seja o estritamente necessário.

E depois vinham taxas bancárias que, no meu entendimento, não poderiam ser cobradas e estavam perdidas no meio dos lançamentos.

Feito o diagnóstico, já era hora de tomar providências!

- Esquecer a dívida que gerou o levantamento, aquela que estava incomodando e continuar pagando os valores mensais dela porque os juros não eram exorbitantes.

- Procuramos um empréstimo com juros mais baixo e foi feito no valor de "um valor total mensal" para cobrir a conta corrente, sendo que o valor da prestação é inferior àquele que vinha sendo pago a título de juros.

- Começar a usar a planilha e ensinei como deveria ser feito do meu modo "tosco". Manter uma caderneta na bolsa, anotar todos os créditos durante o mês, anotar todos os débitos durante o mês, não fazer compras, exceto do que for essencial (comida, remédio), no final do mês somar os valores e ver o resultado anotando na planilha maior.

- Eliminar o cartão de crédito! "mas, vou pagar tudo à vista?", "exatamente, começando pelas fixas e administrando as variáveis que devem ser diminuídas".

- Monitoramento da conta corrente que foi sendo feito também por mim no intuito de ajudar a controlar.

Chegando no final da coisa toda, a pessoa estava pasma, chorou, disse que era uma "m%$#@$##" essa situação a que chegou e não tinha nem ideia de que sua situação financeira era essa. 

Ponderei que somente havia uma culpada na coisa toda e era a própria pessoa, ressalvadas algumas situações pessoais, eu até compreendia como chegou nesse ponto, somado ao fato de que jamais alguém ensinou como verificar ou controlar as despesas mensais.

Bem, esse post já ficou longo demais, a coisa toda teve desdobramentos que vou contando por aqui em outras ocasiões.

Se você teve a paciência de ler esse texto até o final, conte-me quais foram suas reflexões, se você tem ideia das suas despesas/créditos/dividas, como controla seu orçamento doméstico...

7 comentários:

  1. Pra te ser sincera, eu sei exatamente quanto ganho e quanto gasto (desde que comecei a trabalhar, anoto meus gastos), mas eu não tenho controle do meu orçamento. (Bem, vamos dizer que não tinha, porque estou mudando.)

    Eu sou (era) do tipo que comprava bastante em parcelas e ficava, "aaah mas essa prestação é pequena, posso fazer", "está em promoção!", "eu vou receber um dinheirinho a mais, posso usá-lo pra pagar isso" e, por último, "vou comprar e, se não conseguir pagar, pego empréstimo no banco". Juro que pensava assim!

    Pelo menos, nunca usei limite especial nem paguei mínimo no cartão de crédito, mas eu ainda vivo de pagamento em pagamento. Meu dinheiro dá pra pagar as contas, mas não sobra pra passar o mês. E eu tenho prestações a perder de vista! (Sabe o que é pior? Tem coisa que eu comprei em várias prestações e passei pra frente quase imediatamente porque não me serviu. =/)

    Uma das minhas táticas foi quebrar meus dois cartões de crédito. Foi radical, mas eu precisava de um baque. E foi libertador também porque eu saio de casa, olho algo que quero comprar e lembro que não estou com o cartão e não tenho dinheiro, então não posso levar. E simplesmente sigo em frente. Ainda gasto um pouco na internet porque sei o número de cor deles (¬¬'). Sorte que eles vencem esse ano e não desbloquearei os novos, por enquanto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, e boas férias! Divirta-se! :)

      Excluir
  2. Minha vida financeira esse ano ta derrubada demais, ganho relativamente bem mas ontem fui atras de um emprestimo 4 vezes superior ao meu salario para pagar cartoes. Foi uma medida sensata porque estava pagando muito no rotativo mas, to com metade da minha renda comprometida com isso. Mas aprendi a gastar, nao sou mais a descontrolada que tem mais de 50 sapatos (diga-se melissas), mais de 10 perfumes e por ae vai. Vou dar valor ao meu dinheiro.

    ResponderExcluir
  3. Interessante que a pessoa aceitou ajuda em ver onde estavam os possíveis furos e ao que pareceu teve o norte delineado.

    Hoje eu ouvi uma guria que trabalha comigo dizer que tinha um x lá de reais no lins e que não queria mais gastar, perguntei o que era lins e ela respondeu ser limite do banco, dai disse "mas então não é teu" e ela "é meu sim, se está na minha conta é meu".

    Bem, é como falastes do jamais alguém ensinou, isso acho que só nas gerações muito novas pra ter de uma forma mais comum, na minha sobrinha por exemplo é super comum ela saber que moeda é para o porco e aquilo é trocado regularmente e os extratos colocados ali, uma forma de controle para os pais acho, pra não pensarem em atacar na primeira vontade de chamar alguma coisa pra comer, pelo menos pra mim funcionaria, vejo aquilo e tento fazer semelhante em casa e acho muito divertido.

    De uns anos pra cá sempre tive em mente ganhos, gastos, reduções, consigo economizar sem privar de ter as coisas e tenho uma fama de mão de vaca assim que é uma coisa quase que uniforme das pessoas que comigo convivem e eu juro que não faço nada demais que justificasse tantos xingamentos desse tipo rs, só proponho pensar, que foi o que comecei a fazer sozinha em busca de como podia fazer meu dinheiro ser mais elástico, pois assim mesmo tendo um gasto alto em alguma coisa e muito da economia está aí, em comprar coisa boa e não um monte de porcaria, mas em outras se a coisa é a mesma porque não tentar? Sempre respeitando uma sobra mesmo que pouca de dinheiro e com o tempo isso cresce, melhor que pagar uma coisa em 12 x e na 3 já nem ter mais a coisa, comigo acontecia isso tempão atrás, quando resolvi que tinha que melhorar.

    Parcelas eu evito o máximo mesmo, não vou dizer que nunca, pode acontecer a necessidade, mas se essa acontecer certamente será uma exceção e não regra geral só porque é só x, pois esse "só" vira quase o salário todo se tu deixa... e dai é trabalhar insatisfeita e tal, muito ruim.

    Eu tenho uma colega assim, ela recebe bem mais que eu pois é antiga no local e tal, então se a gerente vai de bolsa nova, no outro dia essa colega também compra, um dia eu aderi a tal pulseira da vida lá e tinha dois negócios que ela não tinha... pra quê? não descansou enquanto não comprou 6 daqueles...sendo dois de outra que é mais cara e fez questão de me mostrar e ok, eu sigo com os mesmos, tenho a prioridade que é trocar o carro no final do ano e até lá minha pulseira será "esbelta", mas a outra... e não é feliz pois vive estressada com dinheiro, mas com tantos gastos impensados , haja dinheiro né...

    ResponderExcluir
  4. Vida financeira...sim anoto tudo até as pequenas coisas e os centavos... e sempre dar super certos os resultados... claro se eu tivesse mais dinheiro com certeza iria gastar mais .... nunca sobra nada do meu salario, mais não falta, para minha alegria! Beijos e parabens pelo blog, sempre passo por aqui.... beijos da Jaque meucantinhojaque.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Nunca tive grandes problemas, nem contas em atraso. Sempre consegui pagar tudo e sempre tive poupança. Já zerei minha poupança algumas vezes, para compra de imóvel, de carro, etc, quer dizer, compras que estavam sendo planejadas com o dinheiro da poupança (nestas épocas não comprava nada desnecessário, porque tinha um objetivo que era juntar todo o dinheiro que pudesse para efetuar estas compras). O problema é que após a realização desses objetivos (carro, imóvel, etc) comecei a gastar mais do que deveria gastar porque achava que se meu salário dava para pagar as minhas contas e às vezes ainda sobrava para a poupança eu poderia gastar. Só percebi isto quando comecei a ler blogs sobre destralhe, ano sem compras, compras desnecessárias e vi que estava gastando dinheiro com besteiras e que este dinheiro poderia ter sido economizado para outras coisas. Claro que estes gastos não eram nenhuma fortuna mas de pouquinho em pouquinho deveriam fazer uma soma boa. Percebi também que o meu cartão estava cheio de parcelas tipo, parcela 02/03, parcela 05/10, parcela 01/04, de várias compras parceladas, com valores baixos cada, mas que ao somar já perfaziam uma boa quantia, na maioria das vezes de lojas de roupas, sapatos, bolsas, perfume, artigos para casa .., excetuando seguro do carro, compras de remédios que sempre faço e são inevitáveis, coisas para minha filha e mais algumas coisas necessárias.
    Enfim, comecei a tentar diminuir estas compras para reduzir o valor do cartão e sobrar mais dinheiro para colocar na poupança. No início não deu muito resultado por causa das várias parcelas a vencer. Porém, no mês passado, tive a grata surpresa de ter tido uma redução considerável no meu cartão de crédito, isto porque colocando poucas coisas no cartão, pagando as outras coisas à vista e com o vencimento das tais compras parceladas, a tendência é realmente o valor a ser pago no cartão diminuir.
    Já para a próxima fatura, a qual estou monitorando pela internet, espero que o valor fique ainda mais baixo que a do mês passado.

    Meu objetivo agora é parar de comprar besteiras (já estou comprando muito, muito menos), destralhar a casa (o que estou fazendo, mas é um processo muitíssimo demorado), resolver algumas pendências médicas de minha filha (tipo cirurgia, finalizar calendário de vacinas, etc), continuar pagando academia e continuar colocando o dinheiro extra na poupança.
    Para o ano que vem espero poder focar em outras coisas: resolver pendências minhas (fazer um tratamento para varizes é uma delas), continuar na academia, já ter destralhado muita coisa em casa e começar a fazer o que gosto, que há muito tempo não faço (por falta de tempo, de ânimo, ansiedade, falta de paciência, sei lá): assistir filmes, ler livros, viajar, passar uma tarde numa cafeteria saboreando uma torta e um café ....

    ResponderExcluir
  6. Além disso tudo, meu salário é variável. Meu salário depende de alguns fatores, portanto, posso receber mais em um mês e menos no outro. Ou seja, posso algum mês não ter recebido salário suficiente para cobrir meus gastos e terei que lançar mão de outros recursos, portanto, tenho que estar sempre prevenida.

    ResponderExcluir